Chávez e a imprensa, uma relação que cerceia os direitos do cidadão comum

Deixe um comentário
América Latina / Cultura / Jornalismo / Política(s)

O documentário “A Revolução não será televisionada”, filmado e dirigido pelos irlandeses Kim Bartley e Donnacha O’Briain, retrata  as 47 horas entre 11 e 13 de abril de 2002, em que, o presidente eleito da Venezuela, Hugo Chávez foi deposto e preso.

O presidente Chávez, assumiu a presidência em 1998, e desde então vem trabalhando por uma “revolução bolivariana”. Um dos meios da revolução, é a distribuição dos rendimentos auferidos com o petróleo para investimentos sociais voltados à maioria do povo. A Venezuela é o 4° produtor de petróleo do mundo.

Junto a estas ações, Chávez aumentou suas críticas às políticas liberais inspiradas nos EUA, levantou a ira do imperialismo norte-americano, acostumados a governos submissos e gerou uma tensão entre as classes dominantes locais e a grande massa de pobres do país, que chega a 80% da população. Este é o cenário em que se desenrola o Golpe de Estado em 2002.

Destacamos, neste documentário a atuação dos meios de comunicação, que conduziram, incitaram e manipularam as massas envolvidas em torno do Golpe. A RCTV apoiou deliberadamente a oposição de Chávez, dando espaço e convidando militares a divulgarem a decisão de desviar a manifestação até o Palácio, causando a morte de 10 civis e o desmantelamento do governo de Chávez.

Observa-se que a mídia local ampara-se também, no apoio da mídia internacional pautada pelas agências norte-americanas e inglesas, que trazem consigo interesses políticos e econômicos, divergentes ao do governo bolivariano de Chávez.  A imprensa internacional não cobriu os fatos com isenção. Durante o Golpe de Estado, a Rede CNN, deu espaço para Pedro Carmona, “presidente”, durante a ausência de Chávez, que estava foragido do Palácio Miraflores, para que falasse sobre o golpe e o governo naquele momento. No Brasil o golpe sequer existiu, nenhum canal e nenhum repórter ou apresentador crrticou o ocorrido.

Em 2010 a relação entre Chávez e as imprensas local e internacional, continuam tensas. Não faltam declarações de que o presidente, cria um cenário de Ditadura e autoritarismo no país. Seis canais de televisão, incluindo a RCTV – de linha crítica à gestão de Hugo Chávez, foram retiradas do ar, segundo a Conatel – Comissão Nacional de Telecomunicações, por não transmitirem atos do presidente Hugo Chávez, que estaria embasada na Lei de Responsabilidade Social em Rádio e Televisão, bem como com a construção da República Bolivariana.

Chávez, nato comunicador, sabe da importância dos meios de comunicação, utiliza dos meios estatais eprivados para continuar sua revolução e abusa de seu poder executivo para podar a liberdade da imprensa local. A relação entre Chávez e a mídia, acaba por cercear os direitos do cidadão comum, que por um lado perde a oportunidade de ter a informação imparcial e completa, e por outro é manipulada pelos donos dos meios de comunicação, que são grandes empresários que divergem do governo bolivariano.

The Author

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s