Seminário sobre a Liberdade de Expressão e Direito à Informação acontece em São Paulo

Deixe um comentário
América Latina / Jornalismo / Política(s) / São Paulo

Nesta quinta-feira, 25 de março, acontece no Memorial da América Latina, em São Paulo, a 2° sessão do Seminário Liberdade de Expressão / Direito à Informação nas sociedades contemporâneas da América Latina. Coordenado pela profª Cremilda Medina, da ECA-USP, o seminário foi programado no âmbito da Cátedra Unesco Memorial da América Latina e se articula com evento complementar, que se dará no mesmo local no mês de abril, sob o tema “Liberdade de Imprensa e Democracia na América Latina”, que será coordenado  jornalistas Eugênio Bucci e Carlos Eduardo Lins e Silva.  Pela manhã discutiu-se a trajetória brasileira recente na questão da liberdade de imprensa, sob o tema geral “Da censura às atuais regulações da informação de atualidade”. A conferência de Cremilda Medina tem o tema “Autoria e assinatura coletiva na comunicação social. O projeto de formação universitária”. A coordenação da mesa é do professor Pedro Ortiz. À tarde, às 14h30, o jornalista José Maria Mayrink fala sobre “Censura e Democracia, o caso Estado de S. Paulo”; às 16h, é a vez de Alberto Dines discorrer sobre “Da censura à imprensa ao lobby da mídia. Um percurso latino-americano”; por fiz, será a vez da conferência de Eugênio Bucci, sob o tema “Mídia privada, mídia pública e intervenções do Estado brasileiro”. Na quarta-feira Demétrio Magnoli abriu o seminário com uma “Retrospectiva, atualidade e projeção do Direito à Informação na América Latina”.  Cientista social, geógrafo e jornalista, Magnoli fez um “Panorama nas sociedades latino-americanas – da vocalização da Nova Ordem da Informação à doutrina contemporânea do terror mediático”. Ele começou listando os casos recentes em Cuba e Irã, onde o bloqueio oficial à imprensa livre tem sido vazado pelos novos meios de comunicação – “reportagens” feitas por gravadores digitais e celulares que gravam som e imagem  foram enviadas por pessoas comuns por meio das várias ferramentas da internet, como redes sociais, twitter e blogs. Magnoli sublinhou a diferença com os anos 70, quando 80% da informação internacional era difundida pelas agências americanas APE e UPI e as européias France Press e Reuter. Outros 15% do bolo de notícias internacionais que circulavam no mundo vinham das agências EFE e ANSA, também européias. Somente 5% eram, digamos, “independente”. Apesar dessa melhora, a liberdade de imprensa enfrenta sérias ameaças na América Latina, segundo Demétrio Magnoli. “O princípio da liberdade de imprensa passou hoje a ser rejeitada explicitamente pela esquerda”. Será então que defender a liberdade de imprensa é uma postura de direita, pergunta Magnoli. Para ele, a ditadura totalitária, como a de Cuba, por exemplo, diferentemente da “ditadura normal”, censura a liberdade em nome do futuro, pois postula uma razão de princípio e não de circunstância. Assim é que o fascismo censurava para o bem da nação italiana, o nazismo em nome da raça pura e o comunismo em defesa do proletariado mundial.

Com informações Memorial da América Latina

The Author

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s