CPT realiza 3° Congresso Nacional em Montes Claros

Deixe um comentário
Meio Ambiente / Política(s)

“O congresso é um grito de denúncia e de anúncio de um caminho alternativo, um caminho novo”. Dom Tomás Baduíno

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) realizou de 17 a 21 de maio, em Montes Claros – MG, o 3° Congresso Nacional da Pastoral da Terra. Com o tema “Biomas, Territórios e Diversidade Camponesa”, o congresso reuniu 760 pessoas, trabalhadores e trabalhadoras de diversas categorias – indígenas, quilombolas, ribeirinhos, posseiros, assentados, acampados, agentes da CPT, bispos, padres, religiosos, religiosas e seminaristas, além de convidados de movimentos populares e pastorais.

Em entrevista ao padre Antonio Aparecido (Cido) Pereira da Rádio Nove de Julho e do O SÃO PAULO, dom Tomás Baduíno, presidente nacional da CPT, falou sobre a 3° edição do Congresso. “Este Evento é um sinal de esperança porque congrega na sua maioria, lavradores e fala pelos que não tem voz e nem vez. É a voz mais profética dos que sofrem e são perseguidos e cujo sofrimento é encoberto pela distância dos meios de comunicação ou pela omissão da polícia”, afirmou o bispo.

Dom Tomás foi um dos fundadores da CPT em 1975, e durante a entrevista revelou estar insatisfeito com o governo Lula, no que diz respeito à Reforma Agrária. “Havia uma grande expectativa, mas a opção não foi pela Reforma Agrária, foi na linha neoliberal do capitalismo, e é sabido da força que a produção do etanol tem no país, além da celulose. Em geral quem está por trás disso são multinacionais. Aquilo que é destinado à Terra e à Reforma Agrária é uma migalha comparada aos milhões que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) separa para o agronegócio. A Reforma Agrária é uma democratização da Terra, corrige a distorção histórica que vem das capitanias hereditárias, somos o 2° país de maior concentração do mundo”, desabafou o bispo que continuou.

Questionado sobre a construção da usina de Belo Monte, dom Tomás demonstrou sua indignação. “Quem paga o preço são as populações indígenas com sua própria vida. Este quadro é decepcionante. Ali é muito claro o posicionamento da Igreja que é de total afinamento com os apelos dos povos indígenas e dos ribeirinhos. No caso do Xingu, eu acho que ele já se tornou uma espécie de trincheira, o lado indígena com o apoio da Igreja e o lado do governo com o compromisso de Lula de levar a coisa até o fim, e acredito que o canteiro de obras vai ser militarizado”, finalizou.

Padre Cido questionou também sobre a participação da Igreja na luta pela Terra. “A preocupação da Igreja com a causa da Terra não morreu, mas não tem o vigor que tinha antes. A gente viu na edição deste novo documento sobre a terra que ocupou os bispos durante a Assembleia, foi uma canseira e só saiu um documento de estudo”, destacou o bispo.

O assessor bíblico da CPT no estado de São Paulo, padre Antonio Naves, durante a entrevista falou das dificuldades que os trabalhadores rurais enfrentam no estado. “São Paulo não difere dos outros estados enquanto estrutura fundiária, ou seja, a maior parte da terra está nas mãos de poucas pessoas, o que difere do estado é que aqui, a maior parte da terra boa está nas mãos do agronegócio“, afirmou o assessor que denunciou a existência do trabalho escravo.

O 3° Congresso Nacional da CPT publicou nota oficial, comprometendo-se com a formação de seus agentes para uma espiritualidade, centrada no seguimento “radical de Jesus”, comprometendo-se com a luta pela terra e pelos territórios, combatendo o latifúndio e o agronegócio, de acordo com os diversos biomas e as diversas culturas dos povos, buscando formar comunidades sustentáveis.  O Congresso da CPT comprometeu-se em enfrentar “o modelo predador do ambiente e escravizador da vida de pessoas e comunidades, que está assentado em monocultivos para exportação, amparado por mega-projetos impostos a toque de caixa”, afirma a nota.

Os participantes do Congresso persistem nas lutas contra a transposição do Rio São Francisco, contra as hidrelétricas propostas para a Amazônia e combatem o trabalho escravo. Expõe ainda a necessidade de contribuir com a articulação e o fortalecimento das organizações populares, do campo e da cidade. Como gesto deste comprometimento, a CPT realiza em setembro, durante a semana da Pátria, junto ao Grito dos Excluídos, um Plebiscito Popular para limitar à propriedade da terra.

De caráter ecumênico, a 3° edição do congresso divulgou nota publica em repúdio sobre a notícia de que Taradão, um dos acusados de ser o mandante do assassinato da irmã Dorothy Stang, foi solto após 18 dias depois de ter sido condenado a 30 anos de prisão pelo crime.

The Author

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s