Reciclagem gera renda e capacitação profissional

texto Karla Maria
fotos Luciney Martins

Outra iniciativa que defende a vida em suas diversas formas foi encontrada no Glicério, centro de São Paulo. Trata-se do Serviço Franciscano de Apoio à Reciclagem (Recifran), um serviço que ajuda catadores de resíduos a resgatarem a sua dignidade, a sua cidadania, a se organizarem e  conquistarem autonomia. Instalado em prédio cedido pela prefeitura, desde  2002, no Recifran participam 35 pessoas, sendo 24 homens e 11
mulheres, todos em situação vulnerabilidade social e albergados.

O material reciclado vem de parcerias, passa por triagem, prensagem, pesagem e comercialização, que chega a vender 11 toneladas de recicláveis
por mês. Tudo feito pelos próprios participantes, com o acompanhamento da coordenadora técnica, Ângela Nunes de Assis. Ângela esclarece que o  trabalho visa fortalecer o resgate da pessoa humana, proporcionar uma formação cidadã, a capacitação profissional, para que o participante se insira em cooperativas ou no mercado de trabalho, e a ajuda ao meio  ambiente.

“Queremos estimular um novo pensar com o meio ambiente, o “lixo” é uma  fonte de renda para eles [os participantes], queremos, portanto, que eles repensem a sociedade”, disse a coordenadora, lembrando que esse é um dos
“Rs” que sustentam o projeto ambiental, que busca também: reduzir o  consumo, reutilizar o que é possível com arte e criatividade e por fim  reciclar.

Uma das participantes é Bruna Correia, gaúcha de 23 anos, que está há dois em São Paulo. Já morou nas ruas da cidade, convivendo com o frio e
o preconceito, hoje vive junto com seu companheiro em um albergue da  prefeitura. “Aqui, ajudo o meio ambiente, tiro uns 150 reais por mês e  almoço muito bem no “Minha Rua, Minha Casa” [Organização de Auxílio Fraterno que tem convênio com o Recifran]. Não sei como vai ser daqui  para frente, mas é bom trabalhar aqui”, disse Bruna.

Rubem Cesar, 43 anos, trabalha há um mês no Recifran e vê a oportunidade,  como um meio de se capacitar. “A gente visa a cooperativa, aqui é como um curso, vou seguir para a prática”, disse Rubem, morador do Albergue  Pedroso.  A reciclagem de vidas, acontece junto a dos materiais coletados.

No país, o alumínio continua a ser destaque, com índice de reciclagem, em 2008, de 91,5% – uma redução em relação a 2007. Para o restante dos materiais Projeto franciscano de reciclagem gera renda e capacitação profissional investigados pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem
(Cempre), à exceção das embalagens longa vida (cartonadas ou tetrapak), os
índices de reciclagem variam em torno de 45% e 55%, todos com tendência crescente ou estável. Para as embalagens tetrapak, os valores são mais
baixos (cerca de 25%), embora também crescentes.

O Recifran é um projeto social da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, criado em julho de 2002 e se mantém também por meio de doações vindas de diversos locais do mundo.  A sede do projeto que recebe material fica na rua Junqueira Freire, 176, no Glicério. Mais informações 3209-4112 ou recifran@sefras.org.br.

Publicada no O SÃO PAULO

Anúncios

Publicado por Karla Maria

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: