Antropólogo avalia criação de conselho indígena

Benedito Prezia é doutor em antropologia pela PUC-SP, onde coordena o Projeto Pindorama, que oferece bolsas de estudos a jovens indígenas que queiram estudar na entidade. Autor de vários livros paradidáticos sobre a questão indígena, atualmente é coordenador da Pastoral Indígena da Arquidiocese de São Paulo.
Acompanhe abaixo o que pensa o antropólogo sobre a criação do conselho municipal indígena.

” Como não vi o decreto que o criou, não poderei dar muita opinião, mas penso que tem dois desafios: pensar na criação de políticas públicas para as comunidades indígenas da cidade de São Paulo e estabelecer mecanismos para que essas políticas se concretizem.

Penso que ele foi criado num momento ruim, que é o final de gestão. No último ano de um governo pouca coisa se faz, pois todos pensam no próximo mandato.
Assim terão apenas 6 meses para pensar algo, pois a partir de agosto, praticamente nada é encaminhado. E com a eleição do próximo ano, as pessoas que assumirão as novas secretarias, a que o conselho está ligado, nem sempre seguirão o perfil da atual administração que criou.
É preciso que ele [conselho municpal indígena] pense políticas não só para os indígenas que vivem em aldeias, mas também para os que estão fora de aldeia, que devem ser em torno de umas 8 mil pessoas”.
Anúncios

Publicado por Karla Maria

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: