Juristas apontam ‘barbárie jurídica’ no Pinheirinho

Deixe um comentário
Política(s)

Fábio Konder Comparato

“Quando 9 mil pessoas são escorraçadas do local onde moram como se fosse uma manada de porcos e quando tudo isso é pseudo-legalizado por decisão do Poder Judiciário, então, nós temos a certeza absoluta de que esta ordem que se procura preservar é uma completa desordem, sob o aspecto cristão e aspecto humano”, disse o jurista Fábio Konder Comparato, 75, em entrevista exclusiva ao O SÃO PAULO, dia 16, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco sobre a situação no Pinheirinho.

O jurista propôs duas medidas legislativas: alteração do Artigo 928 do Código Civil, em que se aplique o impedimento de uma reintegração por meio de liminar, com acréscimo do parágrafo: “Não haverá reintegração de posse com moradores já instalados”. Outra inclusão seria a de que o juiz que ordenar reintegração deva acompanhar pessoalmente a ocupação e responder pessoalmente pelos eventuais abusos. “Para o futuro é necessário mudar a nossa legislação no que diz respeito às ações de reintegração e manutenção de posse e também no que diz respeito à responsabilidade do juiz”, disse Comparato, referindo-se às cenas de violência na desocupação da favela do Pinheirinho, dia 22 de janeiro, na zona sul de São José dos Campos (SP).

O debate contou com a presença do senador Eduardo Suplicy (PT-SP) que relatou toda a negociação anterior à desocupação com os governos federal, estadual e municipal para a extensão do prazo para a desocupação. “Vamos apurar a responsabilidade de cada um nos episódios em que os direitos das pessoas foram inteiramente desrespeitados”, disse o senador, referindo-se à audiência pública que será realizada hoje, pela Comissão de Direitos Humanos do Senado.

Ato na Faculdade de Direiro do Largo São Francisco, em São Paulo, 16Foram convidados a prestar esclarecimentos o prefeito Eduardo Cury (PSDB-SP), juíza da 6ª Vara Cível de São José dos Campos, responsável pela ordem de   reintegração de posse, Márcia Loureiro, o desembargador, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ivan Ricardo Garísio Sartori, e o juiz Rodrigo Capes, que impediu a decisão federal que ordenava o fim da reintegração de posse.

Outro destaque do debate foi a denúncia do ex-procurador do Estado de São Paulo, Marcio Sotelo: “não há mais massa falida da Selecta, só existe Naji Nahas”. A afirmação do ex-procurador esclarece que a “massa falida” não possui dívidas trabalhistas ou outros credores, sendo portanto, Naji Nahas, o único beneficiado com a reintegração de posse do Pinheirinho. “Agora, faço uma pergunta: como é que o Executivo, a cúpula do Poder Judiciário são movimentados pelo senhor Naji Nahas?”, questionou Sotelo, que é articulador de um manifesto de juristas que está on-line (www.peticoesonline.com).

O manifesto quer levar o caso Pinheirinho à Corte Interamericana e ao Tribunal Penal Internacional. “O que ouve no Pinheirinho foi crime contra a humanidade. Crimes contra a humanidade estão previstos no estatuto de Roma, e quem tem competência para julgar é o Tribunal Penal Internacional”, concluiu o ex-procurador Sotelo.

Matéria publicada no O SÃO PAULO, edição 2889.

The Author

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s