Programa Pindorama completa 10 anos de inclusão indígena na PUC-SP

141 alunos de 16 etnias passaram pelo programa universitário

“Qualificação profissional e redescoberta de suas raízes”, esses são para Benedito Prezia, antropólogo e coordenador do Programa Pindorama, os frutos dos dez anos do programa na PUC-SP. Durante este tempo, 141 alunos de 16 atnias – pankararu, pankararé, potiguara, xukuru, xukuru-kariri, pataxó, kaimbé, kaxinawá, xavante, krenak, kaingang, fulni-ô, guarani mbyá, guarani Nhandeva, Terena e Atikum -, entraram no ensino superior.

Os dados foram apresentados dia 28, na PUC, por Prezia, durante a 5ª edição da Retomada Indígena. Ao O SÃO PAULO, Prezia destacou que nem todos terminaram a faculdade, desistindo por diversas causas, seja pela dificuldade em acompanhar o curso ou por problemas pessoais.

A pankararu Maria Elizabete da Silva finalizou o curso de letras e voltou para a aldeia. “Foi uma experiência incrível. A caminhada não foi fácil, mas com muita força de vontade, determinação e persistência, consegui realizar esse sonho, alimentado desde a adolescência”, disse Elizabete que hoje leciona na Escola Indígena Pankararus, localizada na Aldeia Saco dos Barros, no município de Jatobá (PE).

Atualmente, a PUC oferece 12 bolsas, das quais duas são custeadas pelo Colégio Santa Cruz. “O Programa não é um sistema de cotas, mas reserva de vagas. Os indígenas precisam prestar o vestibular como os demais candidatos, devendo concorrer entre si, sendo escolhidos os 12 melhores listados na classificação geral”, explicou Prezia.

Além disso, o candidato precisa morar em São Paulo, entrar no critério de jovem carente e ser de uma etnia indígena,
comprovada com uma carta da comunidade. O Programa Pindorama nasceu em 2001, sob a iniciativa das professoras da PUC, Ana Maria Battaglin e Lúcia Helena Rangel, além do xavante Hiparindi Toptiro e da Pastoral Indigenista da  Arquidiocese de São Paulo.

“O Programa não me trouxe apenas uma faculdade, mas o sol e a luz para o meu caminho. Sou muito feliz e tenho orgulho deste belíssimo projeto. A educação e a inclusão social ajudam toda a comunidade e é um benefício que não tem preço”,  afirmou Elizabete. Para o pankararu Weslei Barbosa dos Santos, de 20 anos, a faculdade é local de aprendizado que deve ser multiplicado na aldeia. “Normalmente, a maioria dos estudantes indígenas querem voltar para as suas aldeias e desenvolver um trabalho lá e esse também é o meu objetivo” disse o estudante de serviço social.

A programação da Retomada Indígena aconteceu de 24 a 28, e contou também com debates sobre a realidade indígena no Brasil, em especial dos que residem no Mato Grosso do Sul. “No Mato Grosso do Sul, cerca de dez reservas indígenas de kaiowá-guarani foram demarcadas. A Funai [Fundação Nacional do Índio] levou  todas essas comunidades para dentro dessas terras, e elas viraram um barril de pólvora por causa da superlotação. Há conflitos internos entre comunidades
que não se entendem; há casos de alcoolismo, falta de perspectiva etc. Além disso, eles não conseguem trabalhar a terra porque não tem espaço para isso. Então, há consequências graves por causa da falta de demarcação das terras”, disse a antropóloga e professora do Programa Pindorama, Lúcia Helena Rangel.

Publicado em O SÃO PAULO.

Anúncios

Publicado por Karla Maria

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: