1º Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal

DSC_3595Para dom Moacyr Grecchi, Amazônia é vista como colônia do Brasil. Encarnação na realidade e libertação integral darão norte a Encontro na Amazônia Legal

Por Karla Maria, Osnilda Lima, fsp e Wilson Silvaston – Signis Brasil
Foto: José Altevir, CSSp

Começa hoje à noite, 28, em Manaus (AM), o 1º Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal, que reúne bispos e lideranças da região para discutir as realidades do mundo urbano; das populações indígenas e quilombolas; o mapa das religiões nas Amazônia; os impactos socioambientais dos grandes projetos do Governo Federal, do agronegócio, do tráfico de pessoas entre outros temas que atingem a realidade do povo amazônico.

Defensores dos Direitos Humanos e promotores do Ministério Público também participam denunciando e apontando saídas para essas questões que há 40 anos são pauta para a Igreja Católica na Amazônia. “A Amazônia há 40 anos, lá em Santarém (PA) (primeiro encontro dos bispos da Amazônia em 1972) montou um documento que orienta até hoje a caminhada da Igreja na Amazônia”.

O Documento de Santarém é o rosto, a identidade da missão assumida pela Igreja na Amazônia. Ele apresenta quatro prioridades de ação: a formação de agentes pastorais locais; de comunidades cristãs de base, que são as Comunidade Eclesiais de Base (CEBs); frentes missionárias e a Pastoral Indigenista, que segundo dom Moacyr Grechi, membro da Comissão Episcopal para a Amazônia, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) estava “um pouco deixada de lado”.

Ameaçado de morte em três oportunidades por defender o direito à terra das comunidades tradicionais e ribeirinhas, dom Moacyr aponta que as prioridades de ação definidas em Santarém (PA), foram tomadas à luz de dois princípios. Libertação integral e encarnação na realidade. “Não só a libertação da alma com as desobrigas, mas um empenho para que houvesse uma consciência de que precisavam, por exemplo, os seringueiros se libertarem da escravidão do patrão e do sistema que os oprimia. À luz também da encarnação  da realidade, que nós missionários, que viemos de outros lugares, de outras partes do mundo, precisamos assumir a realidade local”, afirma o bispo.

E a realidade apresenta desafios, que segundo dom Moacyr, são os mesmos de há 40 anos. “A Amazônia continua sendo uma colônia do Brasil, uma  colônia energética. Era extrativista, veio o ouro, a cassiterita, a madeira, destroem a floresta sem dó nem piedade e agora mais uma praga: a soja, a cana, o boi e  a corrupção”, denuncia.

O encontro segue até quinta-feira, 31, com representantes dos seis regionais da CNBB que compoem a Amazônia Legal.

Anúncios

Publicado por Karla Maria

jornalista, autora do livro de reportagens Mulheres Extraordinárias, Paulus Editora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: